Diário número 01 #alynemamãe

Oi, gente! Finalmente começando esse diário aqui no blog. Acredito que, além de bacana por responder as perguntas de vocês, vai ser ótimo ver daqui a um ano como me senti a cada mês de gestação, minhas impressões e sentimentos.

Alyne Gravidez

As fotos não estão muito boas porque baixei errado, gente! Depois conserto!

 

Aviso desde já que, por ser um diário, será a minha opinião, meus sentimentos, dúvidas e atitudes durante a minha gestação, certo? O que eu passei ou fiz não quer dizer que outra pessoa passará ou fará da mesma maneira, mas espero que vocês já saibam disso, rs.

Este primeiro será do primeiro trimestre completo e, a partir daqui, farei mensal.

Vou começar respondendo as duas primeiras perguntas que eu ouço sem exceção quando falo que estou grávida de gêmeos:

1) Não, eu não fiz tratamento;

2) Não, eu não tenho casos na família!

Então, como foi? Vamos começar do começo, né?

Eu e meu marido sempre falamos em filho, desde o início do namoro. Quando compramos nosso apartamento já montamos o “quarto do Raphinha”, e era um tal de “Raphinha pra cá, Raphinha pra lá”.

Como namoramos nove anos, não pensávamos em esperar quatro ou cinco anos para ter um bebê, mas não imaginávamos que  nossos pacotinhos viriam tão rápido, rs!

Decidimos começar a tentar em outubro/2014, quando completaríamos 1 ano de casados. Para isso, visitei minha ginecologista e ela disse que eu parasse de tomar o anticoncepcional para o meu corpo se adaptar por uns três meses(visto que tomei por anos a fio). Então, em julho, quando uma cartela acabou, perguntei ao marido: “Compro outra?” E ele disse: “não!”.

Só que, o que era pra ter demorado pelo menos 3 meses para meu corpo se reorganizar e eu começar a tomar ácido fólico, aconteceu em 15 dias! Foi tão inesperado que viajei para o Chile já grávida, esquiei muuuito, em montanhas maiores e mais difíceis do que estava acostumada, bebi diversos vinhos, fiz esforço e etc!

Quando cheguei percebi que a minha regra estava atrasada,  o que mesmo sem o remédio não acontece, me fazendo parar para pensar no assunto pela primeira vez. Era dia 04.08, uma segunda de manhã, saí de casa para ir ao laboratório sem dizer nada ao Raphael. O resultado só sairia a tarde e, a partir daí, foi muita ansiedade, gente!

Resultado: POSITIVO! Foi uma surpresa, mas claro que maravilhosa!!! Nossa eu ria feito boba sozinha dentro do carro! Corri para comprar caixinhas e sapatinhos para surpreender papai, vovôs e titios e foi uma alegria geral, bom demais! Todo mundo esperava muito essa gravidez, mesmo!

foto 1

Assim, primeiro passo foi marcar o obstetra, Dr. Joaquim Luiz Moreira, que é super engraçado, brincalhão e competente, supervisor e staff de residência em ginecologia e obstetrícia (ele trabalha no hospital do Raphael, por isso marcamos).

Como estava com apenas 5 semanas, ele passou os exames e pediu para eu esperar para fazer a ultrassonografia só com 7 e poder ouvir o coração do bebê. Fomos morrendo de medo e ansiedade para saber se estava tudo bem e, assim que o médico colocou o ultrassom, disse:

– Vixe!

Eu (morta de apavorada, passando a vida pela cabeça em 5 segundos):

– O QUE FOI, DOUTOR?

Ele:

– São dois!!!!

GENTEEE, eu não lembro de mais nada depois disso, nada, nada, nada! Lembro que ria, que chorava, que falava amorrrr, amorrrrr!!!! agarrada no Raphael, q ele ria e suava e pronto!

Foi um dos momentos mais maravilhosos da minha vida com certeza, bom demais!

(Curiosidade: no primeiro dia da nossa lua de mel o Raphael sonhou que eu estava grávida de gêmeos. Brincamos com o assunto e, quando ele entrou na internet mais tarde, uma prima dele que mora no Acre disse: Raphael, sonhei que a Alyne estava grávida de gêmeos! E o assunto sempre circulou entre nós mas nunca de verdade, não achamos que seria possível!)

Quando descobrimos que eram dois bebezinhos.

Quando descobrimos que eram dois bebezinhos.

Mas, gente, eu poderia dizer que está tudo lindo, tudo maravilhoso e pleno, que é a fase mais linda da minha vida… Só que não! Estou cansada, enjoando demais, muita azia (que eu nem sabia o que era), molenga, sem vontade de nada nessa vida, terrível, rs! Invejo quem diz que não sentiu nada, nem parecia que estava grávida, porque por aqui não está bem assim…

Quando não estou enjoada, estou com fome, quando não estou com fome, estou com azia e quando não estou nada disso, estou com sono, rs! Então minha rotina está bem puxada. O que tem melhorado muito aquela sensação ruim ao acordar, depois do almoco e no fim da tarde tem sido 1 colher de mel com suco de 1 limão. Outra coisa que tenho feito é, se eu acordar para fazer xixi de madrugada ou estiver enjoada, tomo uma colher de iogurte ou como um pedaço de barrinha de cereal. Mudou minha vida! E não passo mais de duas horas sem comer, mesmo que não esteja com fome, pois quando ela vem dá logo náuseas.

Agora que o segundo trimestre vai começar eu espero melhorar e poder curtir mais cada minutinho que tenho até meus pimpolhos nascerem. Vou fazer abaixo um resumo do que aconteceu de importante em cada uma dessas últimas semanas:

– 05 semanas: descoberta da gravidez! Descobri também que a gravidez se conta a partir da data da última menstruação e não do “dia do ato”, kkk. Aprendendo, gente!

– 06 semanas: muita ansiedade e começando a contar para os amigos e família, mas ainda sem pensar muito nisso por conta do câncer da mamãe. Essa gravidez deu forças e alegrias a todo mundo!

– 07 semanas: primeira ultrassonografia e, tcharam, geminhos! Alegria indesccritível!

– 08 semanas: começando a pensar no quartinho e decidindo fazer enxoval fora do Brasil (quando era um pensávamos que talvez não valesse a pena, mas com dois… foi sem dúvidas!). Enjôos começaram pra valer e com força. Cansaço, moleza, azia… Tudo junto e misturado!

– 09 semanas:  Fiz o exame de sexagem fetal. Apesar de saber que para gêmeos há o risco de não saber o sexo dos dois (o exame só identifica a presença do cromossomo masculino (Y), não aguentei a ansiedade do marido e da família e fiz. Engraçado que, para mim, já não fazia tanta diferença saber o sexo. Só quero mesmo saúde, muita, muita, saúde e que eles sejam muito companheiros.

– 10 semanas: Segunda visita ao obstetra, vi meus pacotinhos lá com o coração batendo a mil! Resultado da sexagem: Eba, temos um menininho, nosso Raphinha, como sempre falamos! Os geminhos foram pras suas primeiras nights, dois casamentos seguidos e me deixaram morta de cansada, acabada mesmo!

– 11 semanas: fechamos os últimos preparativos da viagem (hoteis, parques, etc), pois vamos para Orlando. Os enjôos diminuíram muito e já voltei a fazer minhas atividades liberadas pelo médico. Comecei pilates e drenagem. Comecei também a pensar no chá dos geminhos, que tem tema desde que eu me imaginei mãe pela primeira vez, independente do sexo ou da quantidade de filhos, rs.

– 12 semanas: começa hoje, logo algo mais detalhado só no próximo diário. Essa semana tem ultrassonografia, oba!!

 Outras informações:

– Meu corpo já mudou bastante, minha cintura aumentou 8cm (foi de 66cm para 74), meu rosto está bem mais redondo e as calças já estão dando trabalho, rs;

– Todo mundo me avisou que eu ia perder as calças, ninguém me avisou que eu ia perder as blusas por conta do busto, kkk. Não tenho mais roupa, gente!

– Engordei 1,5kg até agora. Comecei com 58kg, meço 1,68. Às vezes parece mais ou aumenta na balança, mas é só prisão de ventre (informação inútil) e creio que perda de massa muscular porque não estou fazendo musculação. E a  gente sabe que gordura ocupa mais espaço, né?

– Meu médico disse que o normal para gêmeos é aumentar no máximo 2,5kg até 14 semanas, logo, creio que estou no limite, rs;

– Ele disse também que o corpo de uma mulher grávida de gêmeos é como se fosse o de uma grávida de um filho quatro semanas à frente. Por isso que minha barriga já aparece, eu acho.

Nossa, que texto grande! Mas é claro que só deu para resumir um pouco da emoção, alegria e transformação que minha vida sofreu nesses últimos meses. Fico feliz de compartilhar tudo com vocês mas espero também que entendam que este espaço fala da minha experiência. Não quero ser julgada ou desrespeitada porque não faço isso com ninguém na vida. Cada mãe e cada filho são únicos e não hã uma receita de bolo para fazer tudo dar certo

Por enquanto só tenho a agradecer tanto amor e carinho e meus geminhos estão loucos para conhecer todas essas titias virtuais!

Foto dos registros: 10 semanas.

Foto dos registros: 10 semanas.

 

Beijos!

 

 

Facebook Comments
Category : Alyne Mamãe, Outras