imagem: hillecarnes.com.br

Carne de porco: pode ou não pode?

Oi, gente!

Acredito que esse é um assunto que muita gente tem dúvida: carne de porco.

Aqui no Brasil, as pessoas adoram, né? Principalmente as versões com mais gordurinhas, como as costelinhas. Rs!

Porém, para quem ainda tem preconceito com esse tipo de carne, inclusive devido às doenças que podem causar, a boa notícia é que podemos sim incluí-las na rotina se soubermos como escolher a menor maneira de consumir.

imagem: hillecarnes.com.br

imagem: hillecarnes.com.br

Para começar, doenças podem ser causadas por qualquer tipo de alimento de má procedência ou estragado, essa não é uma prerrogativa apenas das carnes suínas. A cisticercose, doença sempre atribuída aos porcos, também pode ser adquirida através de carne bovina ruim e mal preparada. Portanto, a primeira dica é: consuma alimentos de qualidade, comprados em locais de confiança!

Agora, vamos lá…

A carne suína faz parte das carnes vermelhas (sim, mesmo que sua cor seja branca!) e por muito tempo (e ainda hoje  é um pouco) vista como vetor de doenças. Porém isso acontecia porque os porcos eram, muitas vezes, criados de qualquer jeito e se alimentavam de “lavagem”, que significava uma mistura de restos ou o que pudesse ser descartado pelos humanos.

Com o avanço da tecnologia e também com os cuidados com a saúde, novas formas de criação de suínos foram desenvolvidas e o que temos atualmente são carnes excelentes vendidas por produtores confiáveis. A alimentação dos animais mudou positivamente e, com essa mudança, a qualidade nutricional da carne suína também mudou para melhor. Em relação a 25 anos atrás, os cortes mais magros apresentam hoje redução no teor de gordura, colesterol e, consequentemente, calorias.

A carne suína tem proteínas de alto valor biológico (ela contém todos os aminoácidos essenciais, inclusive em até maior quantidade do que a carne bovina, vitaminas do complexo B (tem até 10 vezes mais tiamina do que carne bovina e de aves), ferro (prevenindo a anemia) e selênio (ação antioxidante).

Comparação entre tipos de carnes

Comparação entre tipos de carnes

Estudos também demonstram que a carne suína pode ser adjuvante no tratamento da hipertensão arterial, pois além de apresentar menos teor de sódio, também tem maior quantidade de potássio, além de ter baixo teor de gordura saturada e colesterol, situações recomendadas para controle dos níveis pressóricos.

O corte suíno mais magro é o lombinho e, em segundo lugar, o filé suíno. Cortes como costelinha, pernil e bisteca tem, aproximadamente, até o triplo de gordura do que os dois primeiros. E claro, além de escolher a opção mais saudável, lembre-se também de fazer uma preparação saudável! Não adianta escolher um lombinho e encher de coisas gorduras, como fazer frituras, por exemplo.

Use a imaginação e aproveite essa delícia!

 

 

 

Facebook Comments
Category : Alimentação
Tags :