Até onde você iria pra perder peso?

Recentemente saiu na mídia uma notícia bem chocante, de uma moça que passou 8 meses à base de shakes e líquidos pra emagrecer. Infelizmente, esse foi apenas mais um dos casos muito sérios que acontecem por aí…

 

Hoje, com essa ditadura da beleza e a grande pressão da mídia, cada vez mais pessoas colocam a saúde em risco em busca de atingir um ideal que, muitas vezes, nem é o seu, tudo pra se sentir inserido num contexto absurdo.

 

Pra falar sobre isso, convidei a Beatriz Maia, minha amiga e colega na faculdade de Nutrição que sabe muito. Vale a pena ler!

dieta da moda

foto: nutricionistasuzanyqueiroz.blogspot.com

O QUE VOCE FARIA PARA CONSEGUIR EMAGRECER? 

A mídia e alguns médicos têm influenciado o comportamento e contribuído para a construção de um modelo estético “ideal” da população e acabam por não pensar na saúde. Esse padrão desperta na mulher, jovem e adulta, o desejo de alcançá-lo, tornando-as mais suscetíveis a aderirem às dietas com apelo ao emagrecimento rápido.
  
A melhor alternativa para a perda de peso está associada a uma reeducação alimentar, juntamente com a prática regular de atividade física. Porém, algumas práticas que visam uma perda de peso rápida têm sido adotadas, entre elas a adesão de dietas que recomendam o uso de planos com restrição energética extrema, por exemplo: “ZERO CARBOIDRATO”.
 
No entanto, essas práticas não são saudáveis, pois não levam em consideração o indivíduo e suas características individuais  e tampouco seus hábitos alimentares.
 
Essa carência de carboidrato pode acarretar inúmeras consequências, como mau humor, cansaço, tontura, metabolismo lento, proteína utilizada como fonte de energia levando à depleção da massa muscular, perda de água, eletrólitos e minerais, constipação devido ao baixo consumo de fibras, sobrecarga renal pelo excesso de proteína, entre outras.
 
Uma alimentação saudável deve levar em consideração aspectos qualitativos e quantitativos, enfatizando que o fornecimento energético deve ser INDIVIDUAL e adequado.
 
A oferta de macronutrientes, como carboidrato, proteína e lipídeo, deve ser equilibrada, assim como o aporte de micronutrientes deve ser garantido de acordo com as recomendações para cada indivíduo. Ressalta-se, ainda, o respeito aos hábitos culturais e à condição socioeconômica.
 
O correto é procurar um (a) nutricionista que possa fazer uma reeducação alimentar e orientar uma dieta que promova a perda de peso saudável e gradativa, com objetivo de alcançar o equilíbrio na alimentação para atingir um peso considerado SAUDÁVEL.”
 
 
Beatriz Maia – graduanda em Nutrição
@beatrizmaias
 
 
 
Obrigada, Bia! Disse tudo!!!  
Facebook Comments
Category : Alimentação
Tags :